O Curió ( Oryzoborus angolensis )

Quando o Ernesto e Fábio, colaboradores do blog, sugeriram que eu escrevesse um texto sobre os meus passarinhos, eu confesso que fiquei em dúvida. Será que é um assunto interessante aos leitores? Depois de pensar um pouco, resolvi arriscar e pagar pra ver…

Há muito tempo sou um apaixonado pelos passarinhos cantores. Não sou um determinista, mas acho que Taine tinha razão, eu não tinha como escapar desta sina.

A herança genética dos dois lados da minha família deve ter tido boa influência nessa paixão. O meu bisavô Maeda, era um que apreciava os papa capins ou coleirinhas. Já do lado dos Tsukudas, o tio Minoru sempre foi um apaixonado por pintassilgos e o tio Pepê era um admirador de curiós, azulões e pássaros pretos. Além claro do meu pai, seu Mário, que gostava de canários belgas.

Consigo ficar por horas ouvindo um curió cantar. Fico absorto maravilhado percebendo o seu canto, andamento, voz e também o número de repetições. Me irrita uma eventual nota falhada ou um pio de pardal no meio do canto que pode colocar tudo a perder. Quando aparece um amigo curiozeiro para apreciar o canto comigo, ao invés de um, são dois bobos fascinados que se rendem ao talento do penado de 15 gramas.

Criar pássaros é um hobby controverso. Ainda mais no meu caso, que crio pássaros canoros da fauna silvestre. Com frequência somos achacados por ambientalistas e defensores de animais que nos condenam por prender o bichinho e fazê-lo cantar ao nosso bel prazer. O fato dos pássaros terem asas, que remete à liberdade – que nós podemos senti-la apenas num sonho, num voo solo de paraglider ou asa delta – nos deixa em situação bem desconfortável. Cá entre nós, admito que é uma paixão egoísta! Devo pagar na próxima vida, ficando preso numa gaiola como profetiza a Virgínia, minha esposa kardecista.

Mas no campo de batalha, aos haters inquisidores, a primeira pergunta que faço é se eles tem um cãozinho. Como na maioria das vezes a resposta é sim, eu argumento que a única diferença entre o seu pet e o meu passarinho são as asas, porque o Bidu deles fica também preso o dia todo num apartamento pequeno, proporcionalmente tão pequeno quanto a gaiola do meu bichinho, esperando desesperados a chegada de seus donos do trabalho para finalmente fazerem cocô no passeio de meia hora diários, portando uma coleirinha chique no pescoço …

É importante deixar claro que o curió para um curiozeiro não é um animal de estimação, ou um integrante da família. Ele está mais para um carro muito desejado e sonhado. É muito comum trocarmos pássaros com outro criador, ato impensável para quem tem um cachorrinho.

O Ibama nos permite manter pássaros silvestres em casa como criadores amadores de passariformes com regras bem rígidas parecidas com as de porte de armas de fogo. Somos passivos de uma fiscalização domiciliar pelo Ibama sem aviso prévio, para conferir se o número de pássaros e sua anilhas coincidem com a lista atualizada de passeriformes do CPF em questão. Nunca seremos donos dos nossos bichinhos, eles sempre pertencerão à União. Somos apenas os seus fiéis depositários ou tutores.

De todos os pássaros canoros da nossa fauna, o curió ( Oryzoborus angolensis ) é o meu preferido, seguido do bicudo( Oryzoborus maximiliani ) e pintassilgo ( Carduelis magellanicus ). O canto do curió lembra o som de um violino e o bicudo de uma flauta.

O curió ainda encontrado livre na natureza, principalmente nos estados do NO e NE do Brasil. Em São Luís – MA, nos terrenos baldios ao lado de casa, tinham curiós livres. O bicudo, por sua vez, está ameaçado de extinção na natureza, apesar de existirem milhares dessas duas espécies em cativeiro aqui no Brasil e no exterior. Existem algumas iniciativas em curso de repovoamento de bicudos em área protegidas com a doação de exemplares dos colegas bicudeiros.

Na natureza, o curió e bicudo vivem pouco de 5 a 7 anos. Em cativeiro, podem chegar a mais de 30 anos de vida, como o curió Ana Dias que viveu por 32 anos.

O declínio da população dos curiós e bicudos na natureza foi devido à caça ilegal, mas também pelo avanço da área urbana sobre os seus habitats originais e o uso ostensivo de defensivos agrícolas.

A nossa classe de criadores de pássaros silvestres legalizados combate com fervor a caça e o comércio ilegal de pássaros silvestres. Entretanto, não há como negar que os meus curiós de casa descendem de pássaros que foram livres um dia…

O número de matrizes em cativeiro já é suficiente para o nosso hobby, não precisamos capturar mais exemplares da natureza. Desde os anos 50 houve um trabalho de aprimoramento genético dos curiós, de tal sorte que a habilidade de repetir e aprender o canto padrão de um curió atualmente em cativeiro não se compara à de um curió silvestre.

As vacas leiteiras Girolando, são um bom exemplo: Vocês acham que na natureza uma vaca forneceria 50 litros de leite ao dia ao seu bezerro? Foram muitos anos de seleção genética até chegar a Girolanda Marília FIV Teatro de Naylo que em 2020 produziu 127 kilos de leite num único dia!

Na natureza, existem vários tipos de cantos regionais de curiós no Brasil. Em cativeiro, foram definidos alguns cantos padrões, segundo os quais os curiós são julgados nos torneios de canto como por exemplo o canto Praia Grande Clássico, Virado ( MA ) , Paracambi ( RJ ) e Viu Viu Teu Teu ( NE ), entre outros. Desses, apenas o Praia Grande Clássico é o canto com abrangência nacional que possui etapas nas principais cidades brasileiras de agosto a janeiro, período que coincide com o período de nidificação, quando o curió macho canta para seduzir a sua fêmea

É importante pontuar que apenas abordei os torneios de canto, que sou adepto, quando são avaliadas a qualidade de canto, voz, andamento e repetição. Entretanto, existem os aficionados da nossa classe que preferem os torneios de fibra, cujo objetivo é julgar a resistência e a coragem do pássaro de cantar por horas a fio face a face com outro macho da mesma espécie, não importando no julgamento a qualidade do canto.

O desenvolvimento do canto Praia Grande Clássico, começou nos anos 50 com o curió mateiro ( caçado ) Ana Dias, no distrito do mesmo nome da cidade de Itariri no estado de São Paulo. O Ana Dias tinha uma habilidade única de repetir o canto original e aprender notas musicais de outros curiós. Os seu tutores como Luiz Pintor, João Massarella e finalmente Walter Moretti desenvolveram o canto Praia Grande Clássico.

Mais recentemente, Olivio Nishiura comprou os direitos das gravações do Ana Dias de Walter, mixou o canto em estúdio e definiu o canto padrão Praia Grande Clássico que norteia os torneios de canto em todo o Brasil. A seguir as notas do canto Praia Grande Clássico. Para facilitar os que não sabem ler notas musicais como eu, foi utilizado a onomatopeia para nos ajudar.

Portanto, não esperem encontrar no brejo um curió cantar Praia Grande Clássico, porque ele é um canto artificial, inventado pelo homem. Bom, a menos que um curió tenha fugido de uma gaiola…

Eu acho que a graça de criar esses bichinhos é porque eles são uma caixinha de surpresa. Mesmo com boa genética o pardo ( filhote de curió macho ) pode não aprender o canto padrão e não repetir. No jargão dos curiozeiros chamamos que ele é um cabeça dura. Um bom exemplo é o filho de Pelé, Edinho, que mesmo com boa genética do pai nunca se destacou nem como goleiro no Santos …

Por outro lado, eles podem se revelar um fenômeno de qualidade de canto e repetição. Assim como atletas de alto desempenho existem os curiós que tem super poderes comparáveis a Bolt, Phelps, Federer, Navratilova, Graffi, Borg, Sampras, Isinbaeva, Pelé, Maradona, Zico, Ronaldo e Ronaldinho. Existem claro os representantes do baixo clero, embora bons, nunca serão estrelas…

Há uma lista enorme de grandes curiós Praia Grande Clássicos como Ana Dias, Big Ben, Cyborg, Muralha, GP Presente, Professor, The Best, Guga Filho, Du Bigode Oriental , entre outros.

Eu prefiro agir como um olheiro de futebol buscando futuros craques nas sobras das “peneiras” e nas várzeas tentando achar um Ronaldo Fenômeno ainda meio bobo/ingênuo/barato e apostar no seu potencial, a investir num curió já pronto de muitos milhares de reais.

Na nossa classe é quase um tabu falarmos em cifras e o termo vender se transforma em cessão. Isso porque as transações de pássaros, não é oficialmente permitida pelo Ibama, portanto não é de bom tom falar abertamente em valores no nosso meio. Nunca chegue num torneio de curiós e pergunte:

– Quanto vale esse passarinho ?

Mas já fiquei sabendo de curiós “cedidos” por 200 , 300 até 500 mil reais. Mesmo filhotes pardos machos ( com teste de sexagem comprovada ) filhos de grandes campeões alcançam até 5 mil reais no mercado informal.

Assim como qualquer atividade humana, a criação de pássaros silvestres movimenta um bom montante de dinheiro em toda sua cadeia. Desde criadores de pássaros que vendem filhotes e pássaros adultos, fabricantes de gaiolas e anilhas, alimentos, acessórios para torneios como estacas e capas, laboratório de genética e sexagem, aparelhos eletrônicos de canto, hotéis que recebem os competidores nos torneios, companhias aéreas, restaurantes… etc

Como ainda somos vistos com “desdem” por alguns setores da sociedade, percebemos a necessidade de nos proteger elegendo os nossos representantes no Congresso Nacional, a exemplo da bancada ruralista, da bala e dos evangélicos. Infelizmente tivemos que fazer uso do lobismo para sobreviver nesta selva criando a bancada dos passarinheiros!

Mesmo com boa genética, um curió precisa de muitas aulas de canto durante anos para mostrar todo o seu potencial. Para isso, além da dedicação e cuidado do seu tutor, o mercado oferece aparelhos eletrônicos com a gravação do canto em MP3/ MP4 que automaticamente as aulas são transmitidas em doses diárias desde que pardinho deixou o ninho. Os puristas que não toleram qualquer outro ruido que possa “contaminar” o canto como latidos de cães e pios de outros pássaros, criam seus curiós numa redoma em ambientes acústicos à prova de ruido. Eu sinceramente acho um exagero …

Em 30 anos criando curiós já tive duas joias nas minhas mãos. O Cuitelinho e o Poveda foram os únicos dois curiós excepcionais que tive. Ambos repetiam por mais de três minutos* o canto Praia Clássico com até 50 repetições sem errar uma só nota! O primeiro tive a infelicidade de cedê-lo , já o segundo morreu na minha mão no ano passado.

*Note que ao contrário de Pavarotti ou Cauby Peixoto que só soltam a voz na expiração do ar dos pulmões, o curió “evoluiu” cantando também na inspiração do ar. Por isso muitos conseguem repetir o canto sem interrupções por 3 minutos ou mais. Não é muito interessante?

Em 2000 eu trabalhava na Alumar em São Luís. Tinha acabado de fazer a minha visita matinal pela área quando telefone toca:

– Olá , aqui fala o Ribamar. Você é o Rui Japonês que tem o melhor curió do Nordeste? A fama do seu passarinho chegou aqui no delta do Piauí, viu?

– Sim sou eu mesmo, repondi.

– E ele tem preço? , disparou.

Na época eu estava namorando um Karmann Ghia de um colecionador em Fortaleza, mas estava sem dinheiro para este gasto supérfluo fora do orçamento anual de casa. Então decidi arriscar e pedir pelo curió o mesmo valor do carro, que na época era um valor absurdo para um passarinho.

– Tem sim Ribamar, peço por ele 50 mil reais para não vender! , respondi.

Para a minha surpresa, ele respondeu sem regatear:

– Então ele é meu … Passa o número do seu banco, agência e conta.

Até então eu achava que Ribamar era um curiozeiro empolgado que tinha avançado o sinal, mas que iria cair em si logo mais e pular fora do negócio.

Em meia hora ele retornou a ligação…

– Rui, já fiz o depósito. Confira lá na sua conta!

Então, eu abri o site do Bradesco e confirmei o depósito de 50 mil reais!

Eu não me contive e disse a ele:

– Rapaiz, você é um Piauiense louco? Você nem me conhece e depositou 50 mil reais na minha conta?

– Calma colega… Eu confio em você porque você é amigo do seu Zé das Gaiolas, que por sua vez é um grande amigo meu aí de São Luís. No sábado, vou pegar a minha camionete e andar 600 km para buscar o curiozinho na ilha magnética.

E assim foi …. no sábado ele veio e levou meu passarinho. Eu nem vi a cara dele de tão arrependido que fiquei do negócio. Para espairecer um pouco fui jogar tênis naquela manhã, deixando para a Virgínia e os meninos fazerem a entrega do Cuitelinho ao novo dono.

Na semana seguinte, pegamos um voo e fomos a família toda à Fortaleza comprar o Karmann Ghia. Para a minha decepção, o carrinho não era nada do que parecia nas fotos e desisti do negócio.

Moral da estória: Fiquei sem o curió e sem o Karmann Ghia. Os 50 mil reais nem sei onde estão até hoje…

Em Catalão -GO, num torneio de canto , eu estava saindo com um colega cujo curió havia sido o grande campeão do torneio. Um senhor nos parou e disse estar muito impressionado com o desempenho do curió dele. Em seguida, apontou uma camionete D20 diesel novinha vermelha, oferecendo o carro em troca do seu curió, que na época valia muito dinheiro.

Meu colega não pensou duas vezes e respondeu:

– Companheiro, obrigado pela sua oferta. Mas camionete igual a essa eu posso comprar duas , três ou até mais.. Basta eu ir na concessionária e encomendar. Mas um passarinho igual a esse só eu tenho aqui na região!

Eu tenho homenageado meus amigos curiozeiros já falecidos batizando meus curiós com seus nomes. Eu no momento tenho três curiós: Coutinho é um curió Praia Clássico já erado ( preto ) de 4 anos que repete até 20 cantos; Renato Rossi e Poveda Jr são dois talentos pardos de quase um ano que prometem muito na temporada 21/22.

Infelizmente em 10 dezembro de 2020 perdi o Poveda que faleceu de mal súbito. Foi um curió brilhante que repetia muito, o melhor que já tive. Meus filhos lamentam porque com ele se foram 70 mil reais. Mas desde que vendi o Cuitelinho ao Ribamar, eu jurei para mim mesmo, nunca mais vender um curió extraordinário que caísse em minhas mãos, não importa o valor que me ofereçam.

Descanse em Paz meu Povedinha, você me deu muitas alegrias!

A quem possa se interessar pelo meu hobby, terei o maior prazer de passar as coordenadas ao novo colega de classe. Mas vá preparando o bolso e os ouvidos… O pessoal da sua casa vai chiar, com certeza!

Rui Sergio Tsukuda – abril/21

https://aposenteidessavida.com/

Segue o vídeo do curió Sentinela Neto, um dos grandes repetidores do canto Praia Grande Clássico, talvez o maior.

12 comentários em “O Curió ( Oryzoborus angolensis )

  1. Rui, sem dúvidas é um tema muito interessante! Eu mesmo não tinha noção de tudo que envolve este mundo da criação de pássaros silvestres.
    Também sou um admirador de pássaros, mas não como você. Quando der certo de eu ir aí pra BH quero conhecer seus curiós e os demais, certamente vou ficar impressionado.
    Parabéns pelo amor aos pássaros e por mais este texto que nos fez adentrar neste mundo tão particular e vasto.
    Abraço, meu amigo!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe uma resposta para Mário Domingues Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: