Qual a maneira certa de enterrar a sua sogra?

Com o caixão de ponta cabeça… porque vai que ela tenha catalepsia, acorde e consiga sair do caixão, pelo menos ela cavará terra abaixo em direção ao Japão! A sogra normalmente habita o imaginário de genros e noras, como aquele ser que veio de contra-peso no combo só pra fazer volume, que insiste em arruinarContinuar lendo “Qual a maneira certa de enterrar a sua sogra?”

Ansiedade, muito sofrimento por nada

Hoje que tenho mais passado que futuro, lamento não ter aproveitado melhor as oportunidades que tive na vida por conta da maldita ansiedade. Foi muito tempo perdido por preocupações e temores infindáveis em situações para mim potencialmente ameaçadoras, mas racionalmente sem sentido. Do Wikipedia, selecionei as duas melhores definições que encontrei para esse sentimento: 1)Continuar lendo “Ansiedade, muito sofrimento por nada”

Os norte-americanos sob a vista do meu ponto

Ontem eu tive a feliz notícia que o meu amigo João está partindo para os EUA com a sua família em breve. Essa boa – nova me inspirou a escrever sobre a impressão que tive desse povo e do país, no período que trabalhei lá em 2005. E quem sabe isso possa ser útil paraContinuar lendo “Os norte-americanos sob a vista do meu ponto”

Você é honesto(a)?

Se alguém me perguntasse agora de chofre: “Rui, você é honesto?” Eu diria, “acho” que sim! Eu acredito que nunca estarei convicto da minha honestidade ou integridade, porque tenho uma dúvida cruel desde menino se ela é digital ou analógica. Se a honestidade for digital , 0 ou 1 ou ainda 8 ou 80, euContinuar lendo “Você é honesto(a)?”

Foda-se

Foda-se, eita palavra libertadora essa! Ela é curta, grossa e até didática. Qualquer um pega no ar e logo entende. Pena que somente há pouco tempo, ela se popularizou e chegou até mim. Aliás, como dizem meu bebês, eu sou um pouco lento para pegar as novidades… No meu tempo ( tentei substituir por “quandoContinuar lendo “Foda-se”

Segunda feira

Sempre odiei a segunda feira … bom até aí nenhuma novidade. Bilhões de terráqueos como eu, também odeiam com ardor esse dia da semana. Os mesmos que como eu, também amam a sexta feira, que foi eternizada pelo meme sextou, cujos créditos são de Safadão ou Bunitinho? , que os gringos torcem o nariz porqueContinuar lendo “Segunda feira”

11/09, onde você estava?

Com o Fabio Blanco, meu amigo ainda virtual, jornalista e consultor deste blog, aprendi o que é um gancho no jornalismo: O gancho é uma estratégia criada no jornalismo para conectar assuntos de uma matéria a acontecimentos do dia a dia ou recentes, para que a abordagem pareça sempre atual. Hoje 11/09/2021, 20 anos após o ataquesContinuar lendo “11/09, onde você estava?”

Relato de um obeso crônico

Sou gordinho desde que me conheço por gente … Eu fui magro somente até os oito anos, quando eu tive a hepatite tipo A (daquele tipo que a gente faz xixi da cor de conhaque), que me obrigou a ficar num quarto isolado de tudo e de todos por dois meses. Nesse período, eu sóContinuar lendo “Relato de um obeso crônico”

Tibúrcio

Existem chefes que passam pela vida da gente que deixam marcas e outros vão mais além e deixam também cicatrizes. Tibúrcio foi um desses últimos. Embora eu não me reportasse diretamente a ele na refinaria de alumina, era como se ele fosse o meu chefe. Aliás, na prática, ele era o chefe desde o operadorContinuar lendo “Tibúrcio”

Sou um sem noção

Fui informado recentemente aos 56 anos, que sou um “ sem noção “. Não me lembro muito bem o contexto da discussão, mas a caçula do nada disparou à queima roupa no meu peito: “ Pai, você sabia que você é um sem noção ? “ Ao ouvir a expressão ” sem noção ” ,Continuar lendo “Sou um sem noção”

A mudança

Aprendi com o Montoro, meu querido amigo mestre em estatística que a única coisa certa na vida é a mudança. Algum leitor discordará e dirá que é a morte, mas ela é uma mudança também, com certeza a maior que teremos! É muito comum, o mundo corporativo insistir na mudança porque não mudar significa permanecerContinuar lendo “A mudança”

Concorrência desleal

Depois de um ano, terminei de ler o romance Crime e Castigo de Dostoiévski. Foram muitas idas e vindas, mas finalmente na semana passada, terminei de ler esse romance tão famoso. Mas porque eu demorei tanto tempo para devorar as 500 e tantas páginas do livro que é muito intenso e delicioso de se lerContinuar lendo “Concorrência desleal”

A ilusão da vida

Ontem, quando a enfermeira do posto de saúde aqui em BH aplicava os 0,3 ml da vacina da Pfizer Covid 19 no meu braço direito eu pensei … Se o Thiago, meu sobrinho de Catalão – GO e Giuliano, meu vizinho de Alumínio – SP, que vi crescer desde a infância, tivessem tido essa bençãoContinuar lendo “A ilusão da vida”

O Curió ( Oryzoborus angolensis )

Quando o Ernesto e Fábio, colaboradores do blog, sugeriram que eu escrevesse um texto sobre os meus passarinhos, eu confesso que fiquei em dúvida. Será que é um assunto interessante aos leitores? Depois de pensar um pouco, resolvi arriscar e pagar pra ver… Há muito tempo sou um apaixonado pelos passarinhos cantores. Não sou umContinuar lendo “O Curió ( Oryzoborus angolensis )”

Eles passarão… Eu passarinho!

Hoje vou falar um pouco da minha experiência como engenheiro químico durante 33 anos na última vida passada, nas posições de engenheiro de produção / processos / projetos de expansão, coordenador de assistência ao cliente, gerente de desenvolvimento de novos negócios e finalmente gerente de serviços técnicos. Espero com esse depoimento, passar a vista doContinuar lendo “Eles passarão… Eu passarinho!”

Escrever, um ato de coragem

Como sou um escritor recém saído do armário aos 56 anos, que chegou atrasado às salas de aulas, tento compensar o tempo perdido fazendo cursos para melhorar a minha escrita. Me sinto como aquele rapaz ou garota, que pela necessidade de trabalhar em tenra idade, teve que abdicar dos estudos e já com a idadeContinuar lendo “Escrever, um ato de coragem”

Tia Sumile

Existem pessoas que estar junto delas me faz muito bem. É difícil explicar por que, mas acho que é um pouco de admiração, afinidade, simpatia e reverência. Mas tem um quê de espiritual, que transcende tudo isso também. A tia Sumile, irmã da minha mãe, dois anos mais velha que ela, era uma pessoa assim.Continuar lendo “Tia Sumile”

O dilema do porco-espinho

No último sábado, fez um sol lindo com poucas nuvens aqui em BH, me lembrando que o outono está pertinho. Depois de uma semana sem colocar a cabeça para fora de casa, peguei o meu fusquinha 68 Akatian e ao som da minha seleção de músicas MPB 1 no Spotify – que além de ClubeContinuar lendo “O dilema do porco-espinho”

12 aviões A 320 e 26 teco-tecos

Ontem, 10/03/21, foi um dia muito triste para todo o Brasil. 2349 pessoas foram mortas pelo covid 19 – incluindo o eng Valentino, meu colega na CBA e o pai do Marcos da Vânia, nossos amigos de Maringá – , novo recorde diário de mortos pela doença. Esse trágico número equivale a 12 aviões AContinuar lendo “12 aviões A 320 e 26 teco-tecos”

A Opus Dei

Achei que tinha conhecido a Opus Dei sem querer, mas na verdade, nada tinha sido obra do acaso… Em 1980 eu tinha 14 anos, estudava no colégio Positivo em Curitiba e cursava o primeiro ano colegial. Um dia, o diretor do colégio me chamou para dizer que como o melhor aluno do primeiro ano colegial,Continuar lendo “A Opus Dei”

Agora, o Aposentei dessa vida, também em Podcast

Olá pessoal, Agora estamos também em podcast nas plataformas Spotify e também na Anchor. Basta ir nessas plataformas e fazer uma busca por: por aposentei dessa vida… Por enquanto, migrei apenas um episódio, mais aos poucos, vou migrando os demais textos. Além de maior visibilidade ao blog, a ideia é dar uma opção a maisContinuar lendo “Agora, o Aposentei dessa vida, também em Podcast”

Como é ser um japonês (nikkei) no Brasil

Quando eu era pequeno, por pouco tempo, eu ingenuamente acreditei que Deus só tinha feito japonês e colocado na Terra. Nascer e viver em colônia dá a impressão desta bolha. Isso deve valer também para as colônias alemãs, italianas e outras. No meu caso, eu só via japonês na minha frente. Era em casa, naContinuar lendo “Como é ser um japonês (nikkei) no Brasil”

O chinês, o americano, o inglês e eu

A posição de executivo peão me deu a oportunidade de viajar pelo mundo afora de graça. Me proporcionando experiências em diversos países e conhecer pessoas de diferentes culturas. Quando viajo a um país desconhecido, pouco me preocupo com roteiros de pontos turísticos ou a história do lugar, isso não é importante para mim. Meu negócioContinuar lendo “O chinês, o americano, o inglês e eu”

A Tecnologia na minha vida

Em 1972, eu tinha apenas oito anos. Lembro como se fosse hoje, o tio Kentian trazendo um gravador / toca fitas Panasonic para ser apresentado à família. Ficamos todos eufóricos, porque até então tínhamos apenas o rádio AM e OC e a televisão preto e branco nas nossas vidas. Na sala da casa da minhaContinuar lendo “A Tecnologia na minha vida”

O Duas Alegrias

O Duas Alegrias, o qual me refiro no título do texto, é um sítio. Usei a metonímia, uma das figuras de linguagem da língua portuguesa para estimular você que não gosta do campo a pelo menos, chegar até aqui e quem sabe continuar comigo até o final desta crônica. Tem uma outra metonímia que tenhoContinuar lendo “O Duas Alegrias”

O meu epitáfio

Ontem, 03 de fevereiro de 2021 , perdi mais dois amigos pelo Covid 19. O Gilberto boiadeiro que trabalhou comigo na CBA e a dona Berenice, que foi uma quituteira de mão cheia em Catalão. Além deles, essa doença já levou embora alguns outros amigos e familiares desde o ano passado. Como a Márcia, minhaContinuar lendo “O meu epitáfio”

Dr Antônio e eu

Dr Antônio foi o meu primeiro patrão depois que eu me formei em engenharia química no ano de 1988. Doutor era o título que ele tinha, apesar de não ser médico nem ter feito doutorado. Entendi que quem possuía um patrimônio acima de 1 bilhão de dólares como ele, merecia ser chamado de doutor …Continuar lendo “Dr Antônio e eu”

Texto entrevista do Rui no Meu Patrão

Olá pessoal, este post é um convite para vocês visitarem o blog do meu amigo e jornalista escritor Fábio Blanco , conferir este e também outros textos muito legais que estão postados por lá. Boa leitura a todos ! Grande abraço Rui

Meu ouvido zero absoluto e relativo

Como lhes contei no meu texto de apresentação ao blog, nasci em dezembro de 64. Me considero uma mistura de  baby boomer com geração X, porque  fui parido bem na transição entre as duas gerações. Me dei conta que eu existia neste planeta aos 7 anos mais ou menos. Foi nesse tempo, que eu comecei aContinuar lendo “Meu ouvido zero absoluto e relativo”

Grupos de Whatsapp, um campo minado

Sou, assim como todos vocês devem ser,  usuários do Whatsapp, Telegram  ou ainda de outros  aplicativos ou apps que desconheço, cuja proposta é parecida, ou seja,  a hiper conectividade entre as pessoas. Essa ferramenta se tornou rapidamente muito importante na vida pessoal e profissional das pessoas, alguns dirão  até essencial na vida dos terráqueos. SóContinuar lendo “Grupos de Whatsapp, um campo minado”